domingo, 21 de janeiro de 2018

O LOBO E A HIENA


Cumpre-me assinalar este livro de mais de 500 páginas, e que deveria ser de compra obrigatória para quem segue, ou estuda o último conflito Mundial, nomeadamente a  Guerra na Frente Leste.

Tem a particularidade de ter sido escrito por um Português-Rui Manuel Silva,  que através da consulta dos Arquivos da Ex-URSS demonstra que as verdadeiras intenções de Estaline, eram a invasão da Alemanha e dos outros Países da Europa, com o intuito de impôr o comunismo a todo o Ocidente.
Em Junho de 1941 a URSS não era um País pacífico. Desde 1939 tinha atacado a Finlândia, os 3 Países Bálticos, a Polónia e a Roménia.

Porém os Alemães, face à exigência de mais territórios por parte de Estaline ( ver conferência Hitler-Molotov em Novembro de 1940) que era insustentável para a Alemanha, e  sabendo das intenções soviéticas,  atacaram a URSS, ( Operação Barbarossa) apanhando o exército soviético de surpresa, pois o mesmo estava-se a concentrar e camuflar no interior das florestas, sem qualquer indício de estrutura defensiva, prontos para se lançarem ao ataque.

Deixo aqui uma passagem do livro muito curiosa, sobre o testemunho de um Oficial Alemão, o Tenente Hans Werner Woltersdorf, que esteve envolvido nos primeiros dias da Operação Barbarossa:

Ao longo desta estrada encontravam-se à esquerda e à direita filas sem fim de veículos, prisioneiros soviéticos capturados, tanques, canhões (...) Nós só comentávamos o que nos teria acontecido se tudo isto tivesse marchado contra nós?
Quanto ao aspecto defensivo nada podemos dizer! Não existia arame farpado, nem campos de minas, nem bunkers, nem fortificações.
E porque nem todos os seus tanques foram capturados ou destuídos, pode-se admitir que eles tinham mais de 20,000 tanques prontos para nos atacar.
Os Tanques são armas de ataque. Com tanques não se pode defender, e como soubemos mais tarde, eles tinham tanques que podiam atingir os 80km/h nas auto estradas alemãs. Os triunfos alemães nas batalhas de cerco foram possíveis porque os Russos não tinham estruturas defensivas. Eles só estavam ali estacionados para atacar.


    DISCURSO ADOLF HITLER SOBRE AS RAZÕES DA INVASÃO À URSS


                                 DISCURSO DE ESTALINE FACE À INVASÃO ALEMÃ


Assinalo ainda outro livro de um escritor Russo- Victor Suvorov, " O Grande Culpado" , que tive oportunidade de o adquirir na FNAC.
Este livro aborda o mesmo tema.

                                                         





                                              CONFERÊNCIA DE VIKTOR SUVOROV

Cabe ao leitor tirar as suas conclusões.


quinta-feira, 21 de dezembro de 2017

NATAL NA FRENTE LESTE


                                                             
COMEMORAÇÃO NATALÍCIA SOLDADOS DA LUFTWAFFE (FOTO COLECÇÃO VIRIATOS MILITARIA)


Estamos nos primeiros dias de Dezembro de 1941. Os Alemães estão apenas a poucos quilómetros de Moscovo. Alguma unidades de reconhecimento chegam a 8 km da capital Sovíética, onde através dos seus binóculos , em cima dos seus carros conseguem ver as Torres do Kremlin.
Consta que uma unidade das Waffen SS estaria preparada para quando chegar a Moscovo, dinamitar e fazer explodir o túmulo do Lenin.
Contudo nada disto se realizou.Os Alemães nunca chegariam a Moscovo.
No dia 6 de Dezembro de 1941, os Soviéticos lançam uma contra ofensiva generalizada em toda a frente de Moscovo, e os Alemães são obrigados a recuar algumas dezenas de quilómetros. 
Trata-se da primeira derrota do Exército Alemão, que até aí era considerado quase invencível.

Para o Povo alemão este será o terceiro Natal de Guerra, e para as tropas alemãs que estavam na frente de Moscovo, apesar de todas as vicissitudes, com temperaturas a rondar mais de  30 graus negativos e mal equipados para enfrentar o Inverno Russo, não deixariam de comemorar o Natal.

Passo agora a transcrever algumas passagens retiradas do livro de Michael Jones "A RETIRADA" onde descreve o Natal do soldado alemão na frente de Moscovo, naquele terrível Inverno de 1941.





«Um espírito de camaradagem na adversidade emergiu subitamente quando várias formações alemãs foram lançadas para o caos da retirada de Moscovo.A unidade de Franz Leiprechet começou a recuar em direcção a Maloyaroslavets, 110 quilómetros a sudoeste da capital, às três horas da madrugada do dia 24 de Dezembro.Ás cinco horas tinha-se juntado a uma longa coluna que avançava pela auto-estrada. «Aparentemente estamos a fazer uma correcção na frente» disse Leiprecht.« Consegui arranjar um lugar num camião para esta jornada, mas o veículo estava em péssimo estado e variava constantemente»
A noite caiu e Leiprecht e os camaradas não conseguiram encontrar a aldeia onde deveriam pernoitar.Marcharam às voltas na escuridão e finalmente viram luzes ao longe.Vinham de uma aldeia diferente,mas aí conseguiram alojamento e recurso.A unidade de Leiprecht começou a arrumar os seus pertences. Então de repente abriu-se uma parte de ligação. « Numa grande sala Russa, vinte soldados alemães estavam sentados em volta de uma árvore carregada de velas acesas», recordou Leiprecht. Com uma solenidade maravilhosa soou STILLE NACHT! HEIL'GE NACHT! e alguém acompanhava a cancão com uma harmónica.
Ficámos de pé e em silêncio junto à porta, não queríamos perturbar um momento assim. Naquele circulo singelo de homens reinava uma atmosfera extraordinária muito mais poderosa do que tudo a que eu já tinha assistido numa igreja»
Quando a canção chegou ao fim, Leiprecht falou: « Perguntei se podíamos entrar e aquecer-nos, e fui acolhido com alegria, ofereceram-me uma chávena de café e um grogue...E assim acabei por poder celebrar esta noite santa, e a vasta floresta que rodeava a nossa aldeia deu-nos paz e abrigo. Os meus pensamentos foram para os meus entes queridos, lá longe, em casa.»


VIDEO BATALHA DE MOSCOVO-PROPAGANDA ALEMÃ


Material Alemão utilizado na Frente Leste ( colecção Viriatos Militaria)

O Tenente Erich Mende do 84º Regimento de Infantaria também se encontrava em trânsito. Na noite de 24 de Dezembro o seu batalhão embarcou num comboio militar. « O frio era terrivel» recordou Mende, «com as temperaturas a cair para os 35 graus negativas. O comboio estava envolto em neve. A nossa infantaria foi separada-cerca de 50 homens por cada vagão de mercadorias-com palha no chão, para se deitar.Entrei no meu vagão e vi, para minha surpresa, que os soldados tinham encontrado umas velas e estavam a fazer uma pequena árvore. Sentámo-nos em volta . Cada vagão era aquecido por um pequeno fogão portátil, mas ainda se sentia um frio gelado»
O 84º regimento de Infantaria estava em movimento para sul, de Vyazma para Kaluga. Apesar do frio, Mende nunca esqueceu as horas que se seguiram.«Quando o nosso comboio partiu noite dentro, os soldados exaustos , ainda conseguiram- em todos os vagões- celebrar o Natal. De um deles chegava o som de uma harmónica , de outros homens a cantar o Tannenbaum, e de um terceiro Stille Nacht! Heil'ge Nacht!. Quem poderia imaginar que num comboio de mercadorias barulhento, num tempo gelado de Inverno, o Natal pudesse ser tão memorável?


                                                               
                          BATALHA DE MOSCOVO- VIDEO PROPAGANDA SOVIÉTICA




Para os soldados Alemães, a celebração do Natal era de alta importância. Aqui uma foto da celebração de mais um Natal de Guerra, neste caso em 1942. (Colecção Viriatos Militaria)




Quando o Grupo de Exércitos Centro vacilava sob os golpes da contra ofensiva soviética, Stille Nacht! Heil'ge Nacht! comovia profundamente os soldados alemães.« Na véspera de Natal chegámos a uma pequena cidade», recordou Franz Peters, da 23ª Divisão de Infantaria. «Estava deserta mas descobrimos uma igeja. No interior, onde devia ter estado o altar, havia um enorme buraco no chão-Os bolcheviques tinham arrrancado o soalho.Mas os nossos soldados reuniram-se em volta do buraco, acenderam uma fogueira, e começaram a entoar cânticos de Natal. Nunca ouvi cantar Stille Nacht! Heil'ge Nacht! com tanto fervor, foi incrível. Muitos de nós chegaram às lágrimas.

                              CELEBRAÇÃO DE NATAL NA FRENTE LESTE

No dia 24 de Dezembro, o artilheiro Gerhard Bopp levantou-se cedo.«Ás oito da manhã levantei-me e comecei a organizar as coisas» , escreveu Bopp.« Primeiro, consegui arranjar um pedaço de bacon. Depois fui à aldeia mais próxima e troquei-o por batatas, leite, cinco galinhas e uma pequena árvore de Natal. Voltei aos nossos alojamentos e comecei a fazer as decorações.Depois recortámos estrelas do papel de prata dos nossos maços de cigarros, e uns habitantes locais deram-nos velas que prendemos nos ramos da árvore.Parecia um Natal a sério e na mesa havia pernas de frango, guardanapos e talheres, e uma sobremesa de arroz doce que alguém milagrosamente fez aparecer»
Nessa noite Bopp e a sua unidade desfrutaram a refeição em grupo, e depois apagaram as luzes deixando a sala iluminada pelas velas da árvore.Bopp tinha preparado um pequeno presente de Natal para cada um dos seus camaradas, e ficou encantado quando descobriu que todos eles haviam feito o mesmo. Foi uma ocasião comovente, gratificante, e apesar disso Bopp sentiu-se confuso com o que se seguiu: « Com a troca de presentes senti um verdadeiro espírito Natalício, mas depois instalou-se uma solidão súbita, esmagadora, como se uma parte do meu coração ficasse fria e vazia.Foi o momento mais triste que já vivi.»


                                               
              O CATOLICISMO ESTAVA PRESENTE EM MUITAS UNIDADES GERMÂNICAS

                      À ESQUERDA O AQUECEDOR EM FORMA DE CILINDRO"JUWEL"

                                          CACHIMBO E TABACO DE ÉPOCA


                                           PEQUENO "FOGÃO" INDIVIDUAL DE CAMPANHA
                                                                         
                                       PEQUENO FOGÃO DE CAMPANHA "ESBIT"



                                               NA FRENTE DE MOSCOVO




           BARRETE EM FELDGRAU ALEMÃO- IMITAÇÃO DO MODELO SOVIÉTICO
                     CAPOTE ALEMÃO MODELO 36 UTILIZADO NA FRENTE DE MOSCOVO
                                     CAPACETE ALEMÃO MODELO 1940
                                                     CARTUCHEIRAS 98K


                                       (COLECÇÃO VIRIATOS MILITARIA)



                                                             


Aproveito este post para desejar a todos os leitores e colaboradores do Blogue um Excelente Natal!


FONTES:

COLECÇÃO VIRIATOS MILITARIA
"A RETIRADA -A PRIMEIRA DERROTA DE HITLER" AUTOR MICHAEL JONES

sexta-feira, 8 de dezembro de 2017

MOCIDADE PORTUGUESA- 8 DE DEZEMBRO DIA DA MÃE




DISTINTIVO MOCIDADE PORTUGUESA "DIA DA MÃE"
(COLECÇÃO VIRIATOS MILITARIA)

A tradição manda que o dia da Mãe se comemore no dia 8 de Dezembro, e por isso sendo hoje dia 8 de Dezembro, nada como aproveitar este dia para mostrar duas peças alusivas a esta data, pertencentes à Mocidade Portuguesa.

A peça em baixo é curiosa e rara, pois trata-se de uma pequena "carteirinha" que abre em duas, com a fotografia de um "LUSITO". 
Creio que foram fabricadas algumas centenas para serem distribuídas pelos filiados da MP, bastando apenas que colocassem a fotografia para depois serem distribuídas como prenda/recordação às respectivas Mães.
Esta é de 8 e Dezembro de 1961, logo faz hoje 56 anos.


                                              (COLECÇÃO VIRIATOS MILITARIA)


domingo, 26 de novembro de 2017

A LEGIÃO PORTUGUESA (1936-1974)

                                                                   
             UM DOS PRIMEIROS UNIFORMES DA LEGIÃO PORTUGUESA PERÍODO 1937-1939
              TROPAS MOTORIZADAS (VERMELHO)     (COLECÇÃO VIRIATOS MILITARIA)


Sobre a Legião Portuguesa, considero que até à data, pouco foi escrito sobre esta organização.
Poucas publicações foram editadas.
O trabalho que aqui apresento não pretende de forma alguma ser um estudo definitivo sobre a Legião, longe disso,  mas antes contribuir e acrescentar "mais alguma coisa" para a compreensão desta organização.
O objectivo desta publicação é dar a conhecer alguns uniformes, medalhas, e distintivos desta Organização do Estado Novo. Penso que até hoje nada disto foi feito.

Para quem queira aprofundar um pouco mais a História da Legião Portuguesa, aconselho estes dois livros:

Edição de 1996


                         Publicação recente da Editorial Contra Corrente- Ano 2017

Uma excelente alternativa é também a consulta dos Boletins da Legião publicados  durante o período do Estado Novo. Confesso que me foram extremamente úteis, no que concerne à Uniformologia, conforme poderá verificar mais à frente.
Para além dos Boletins da Legião, temos ainda outras publicações de época, ricas em iconografia e também muito úteis para consulta, tais como:

1) A LEGIÃO E OS CENTENÁRIOS (1940)

                                                               
                                                                     

                                                                   
                                                                         
                                                                       


2) A LEGIÃO PORTUGUESA 30 ANOS AO SERVIÇO DA NAÇÃO (1936-1966)

(COLECÇÃO VIRIATOS MILITARIA)

30 de Setembro de 1936: É constituída a Legião Portuguesa (Decreto-Lei Nº 27058)

A Legião  Portuguesa foi criada em  30 de Setembro de 1936, dois meses após a eclosão da Guerra Civil de Espanha.
Nada como transcrever por ter interesse Histórico o Decreto-Lei para se entender o porquê da criação desta Milícia... e que serviu também para satisfazer as vontades de um sector do regime que se situava muito próximo do Fascismo Italiano e do Nacional Socialismo Alemão. Temos que ter em conta a conjuntura Europeia de então, muito propícia a este tipo de organizações uniformizadas.
Não é de admirar pois, que a Legião tivesse sido a única Organização do Estado Novo, que durante a 2ªGM, apoiasse abertamente as potências do Eixo.
Muitos dos seus primeiros membros e dirigentes provinham do Nacional Sindicalismo, da Liga 28 de Maio, e da Cruzada Nacional Nuno Alvares.

DECRETO-LEI Nº 27058

 Dura há dez anos a nova ordem política criada pelo Exército e mais uma vez confirmada pela vontade expressa da grande maioria dos Portugueses.

À sombra dela tem sido possível reparar as ruínas do passado e lançar as bases do nosso ressurgimento material e moral. Mas, acima de tudo, tem-nos permitido gozar o benefício inestímavel da paz.
Sempre que se tem querido perturbá-la, a força armada a tem defendido e sustentado. Ela continua, na verdade, a ser a grande reserva moral da Nação.

Mas as forças do mal não desarmam. Um inimigo de especial virulência tenta instalar-se no corpo social das Nações, infiltrando-se nas escolas, nas oficinas e nos campos, nas profissões liberais e nas próprias fileiras. Nega a Pátria, a família, os sentimentos mais elevados da alma humana, e as aquisições seculares da civilização Ocidental.

Chegado o momento, desencadeia as paixões, excita os mais baixos instintos humanos e, incapaz de construir, só deixa da sua passagem a ruína das Nações.

O Estado Português tem em face do problema, uma doutrina e uma posição definidas e não teme pelas consequências finais.

Mas a população alarmada, ante os perigos que têm corrido outros povos. quer tomar para si maior quinhão de responsabilidade na sua própria defesa, pela palavra, pelo exemplo e pela acção.

Com este intuito, e apesar de nada se haver oficialmente definido, no curto de espaço de alguns dias, mais de duas dezenas de milhares de cidadãos, por acto consciente e voluntário, se inscreveram para formar a Legião Portuguesa pedem ao Estado que a reconheça e discipline.

É o que se faz com este decreto.
As formas de actuação do inimigo convencem a utilidade de uma força composta de ardentes e esclarecidos patriotas, que, sendo por si mesmo uma fonte de saúde moral na sociedade, ajude, caso venha a ser necessário, e na esfera de acção que lhe venha a ser atribuída, as forças regulares contra os inimigos da Pátria e da Ordem Social.


E para que não se corrompa , nem desvie dos seus fins, antes viva na exaltação das virtudes cívicas e militares, dá-se-lhe a forma de corpo organizado, sujeito a rigorosa disciplina e directamente subordinado ao governo.
Usando da faculdade conferida pela 2ª parte do nº2 do artigo 109 da constituição, o Governo decreta e eu promulgo, para valer como lei o seguinte:

Artigo Único: É autorizada a constituição da Legião Portuguesa, como única organização Patriótica de voluntários, em complemento da Mocidade Portuguesa, para os fins constantes das bases anexas a este decreto

Publique-se e cumpra-se como nele se contém.

Paços do Governo da República, 30 de Setembro de 1936.

António Óscar de Fragoso Carmona. António de Oliveira Salazar- Mário Pais de Sousa-Manuel Rodrigues Junior-Manuel Ortins de Bettencourt- Armindo Rodrigues Monteiro-Pedro Teotónio Pereira-António Faria Carneiro Pacheco.
                                                                     
BRAÇADEIRA LEGIÃO PORTUGUESA
(COLECÇÃO VIRIATOS MILITARIA)


DISTINTIVOS DE APOIO À CAUSA NACIONAL-PERÍODO GUERRA CIVIL DE ESPANHA
(COLECÇÃO VIRIATOS MILITARIA)

Tendo como objectivo de ajudar a identificar imediatamente, e antes de entrar na "Organização Militar da Legião Portuguesa" importa reter as côres das respectivas "armas" da Legião, bem como a respectiva hierarquia dos postos da Legião.

CÔRES DA LEGIÃO PORTUGUESA

VERDE- TROPAS APEADAS
ENCARNADO- TROPAS MOTORIZADAS
AMARELO- TROPAS MONTADAS
CARMEZIM- TROPAS SERVIÇO DE SAÚDE
AZUL- TROPAS SERVIÇOS ADMINISTRATIVOS
CASTANHO- TROPAS SERVIÇOS DE TRANSMISSÕES
BRANCO- GRADUADOS NA DISPONIBILIDADE E SERVIÇOS DE ACÇÃO POLITICA SOCIAL
PRETO- TROPAS AÉREAS
CINZENTO- BRIGADA LEGIONÁRIA DOS CTT

POSTOS DA LEGIÃO PORTUGUESA






ORGANIZAÇÃO MILITAR DA LEGIÃO PORTUGUESA

Para tentar perceber a organização militar da Legião Portuguesa, penso que a melhor informação que temos disponível  é a que consta nos Boletins da Legião Portuguesa, como podem constatar pelas fotos em baixo, de onde retirei as partes que considerei mais importantes para que se tenha uma melhor noção sobre esta matéria. A organização militar da Legião Portuguesa, foi essencialmente definida nos primeiros boletins da Legião, nomeadamente entre 1936 e 1939.


                                                               
                                BOLETIM Nº 2- 28 DE FEVEREIRO DE 1938

                                                                         


                                                                           





                                 






                                                                       
 
LEGIÃO PORTUGUESA-CAPA DA REVISTA "ESFERA"  5 DE OUTUBRO DE 1943 (COLECÇÃO VIRIATOS MILITARIA)

                                                                       
                   BIVAQUE LEGIÃO PORTUGUESA (COLECÇÃO VIRIATOS MILITARIA)
                                                               







             DISTINTIVO DA LEGIÃO PORTUGUESA (COLECÇÃO VIRIATOS MILITARIA)

                                                             









                        PEQUENOS DISTINTIVOS DA LEGIÃO PORTUGUESA
                                         (COLECÇÃO VIRIATOS MILITARIA)


                                             







  MEDALHÃO ALUSIVO À COMEMORAÇÃO DOS 20 ANOS DA LEGIÃO PORTUGUESA
(COLECÇÃO VIRIATOS MILITARIA)
                                                               










                                                 
                                                     
 CAMISA REGULAMENTAR DA LEGIÃO PORTUGUESA (COLECÇÃO VIRIATOS MILITARIA)


                                       








  CINTURÃO MODELO  M/902 PARA OFICIAIS DA LEGIÃO E DO EXÉRCITO (COLECÇÃO VIRIATOS MILITARIA)





    BANDEIRA DA LEGIÃO PORTUGUESA  (COLECÇÃO VIRIATOS MILITARIA)

                                                               














 CARTOLINA DAS TROPAS MOTORIZADAS-FIGURAS PARA RECORTAR (COLECÇÃO VIRIATOS MILITARIA)





                                                           
 CÔRES DA ARMA DA LEGIÃO PORTUGUESA-VERMELHO DAS TROPAS MOTORIZADAS  E CARMEZIM DAS TROPAS DE SAÚDE (COLECÇÃO VIRIATOS MILITARIA)






                   MARCHA EM FRENTE À SEDE DA LEGIÃO PORTUGUESA







      BRAÇADEIRAS DA LEGIÃO PORTUGUESA (COLECÇÃO VIRIATOS MILITARIA)

 27 MAIO 1937-ACAMPAMENTO DA LEGIÃO EM SETE RIOS (A BRAÇADEIRA BEM VISÍVEL)



                                                                           
  BRAÇADEIRAS DO CDT DA LEGIÃO PORTUGUESA (COLECÇÃO VIRIATOS MILITARIA)

Sobre o CDT podem ver aqui http://viriatosmilitaria.blogspot.pt/2016/04/legiao-portuguesa-capacetes-defesa.html

                    POSTAL DE SALAZAR (COLECÇÃO VIRIATOS MILITARIA)









LEGIÃO PORTUGUESA SOLDADOS DA LINEOL (COLECÇÃO VIRIATOS MILITARIA)




                                                                             




OS HERÓIS NÃO MORREM-COMANDANTE DE LANÇA ABRAÃO RUI CERVEIRA DE ALBUQUERQUE E OLIVEIRA
                                                                       
 VIÚVA DE ALBUQUERQUE E OLIVEIRA RECEBE A TITULO PÓSTUMO A MEDALHA  DE  MÉRITO MILITAR DA LEGIÃO PORTUGUESA (28 AGOSTO DE 1938)


                                                           


                                                                                 
                                                                           
                                                            
MEDALHA (CRUZ)  MÉRITO MILITAR LEGIÃO PORTUGUESA  (COLECÇÃO VIRIATOS MILITARIA)
                             DISCURSO ALUSIVO AOS VIRIATOS


 UNIFORME OFICIAL LEGIÃO PORTUGUESA "COMANDANTE DE LANÇA" TROPAS APEADAS (COLECÇÃO VIRIATOS MILITARIA)











  
                               (COLECÇÃO VIRIATOS MILITARIA)

                                                                             
                                                                           
BIVAQUE LEGIÃO PORTUGUESA (COLECÇÃO VIRIATOS MILITARIA)







     GALHARDETE DE ALCOCHETE (COLECÇÃO VIRIATOS MILITARIA)

    GALHARDETE DA BRIGADA NAVAL (COLECÇÃO VIRIATOS MILITARIA)

GALHARDETE PARA CORNETA (COLECÇÃO VIRIATOS MILITARIA)






BRIGADA NAVAL (COLECÇÃO VIRIATOS MILITARIA)

                                 BIVAQUES DA BRIGADA NAVAL


  FIGURAS EM CARTOLINA DA BRIGADA NAVAL (COLECÇÃO VIRIATOS MILITARIA)

                    EMBLEMA DE BRAÇO DE OFICIAL DA BRIGADA NAVAL


BIVAQUE OFICIAL DA BRIGADA NAVAL











                                                                     

                                                                   
POSTAL LEGIÃO PORTUGUESA (COLECÇÃO VIRIATOS MILITARIA)


                                                           

             POSTAL DA LEGIÃO PORTUGUESA (COLECÇÃO VIRIATOS MILITARIA)



                                                                     

POSTAL DE SALAZAR (COLECÇÃO VIRIATOS MILITARIA)



 CARTA ENVIADA COM PEDIDO DE AUXILIO MONETÁRIO (COLECÇÃO VIRIATOS MILITARIA


DISTINTIVO OFERECIDO AOS CONTRIBUIDORES DA LEGIÃO PORTUGUESA -"AMIGOS DA LEGIÃO"-(COLECÇÃO VIRIATOS MILITARIA)








                                                     

PANFLETOS DE PROPAGANDA 1937 (COLECÇÃO VIRIATOS MILITARIA)




FOTOS LEGIÃO PORTUGUESA ANO 1937-1938-ARQUIVO NACIONAL TORRE DO TOMBO
                     LEGIÃO E FALANGE ESPANHOLA NA AV. DA LIBERDADE

                 MISSA EM FRENTE AO INSTITUTO SUPERIOR TÉCNICO
                       MISSA EM FRENTE AO INSTITUTO SUPERIOR TÉCNICO
                          MISSA NO INSTITUTO SUPERIOR TÉCNICO
                                     BRIGADA NAVAL
                                          BRIGADA NAVAL
                                           28 DE MAIO DE 1937
                                  ACAMPAMENTO 1937-SETE RIOS
                                          PRAÇA DO COMÉRCIO
CONVENTO DO CARMO

A LEGIÃO PORTUGUESA PÓS 2ªGM

Com a derrota do Eixo em 1945, e com a adaptação à nova realidade por parte do Estado Novo, a Legião Portuguesa vai pouco a pouco, ano após ano perdendo a sua essência e a motivação que tinha nos finais dos anos 30 e inícios dos anos 40.
Na década de 60 e até 1974, os uniformes e o equipamento da Legião Portuguesa quase que se confundiam com os do exército.


                                     COLECCÃO VIRIATOS MILITARIA

                                                         

REVISTA "LEGIÃO EM MARCHA" 
           LEGIONÁRIO ANOS 50-60               
                                                                            

VIDEOS FINAIS ANOS 50-70





Termino com algumas fotos da colecção do nosso colaborador JOSÉ MARQUES:   
                                                              

                                                                   




                                                                           
                                                                                   










           


FONTES

- COLECÇÃO VIRIATOS MILITARIA
- COLECÇÃO JOSÉ MARQUES
- ARQUIVO NACIONAL DA TORRE DO TOMBO
- RTP ARQUIVOS
- BOLETIM DA LEGIÃO PORTUGUESA